Quem
Somos
Produtos Produtos em
uma Página
Informações Artigos Download Estabelecimentos
Kosher
Certificação
Kosher
Pontos
de Venda
Fale
Conosco
Quem
Somos
Produtos Produtos em
uma Página
Informações Artigos Download Estabelecimentos
Kosher
Certificação
Kosher
Pontos
de Venda
Fale
Conosco
Facebook da BDK
Artigos
Fabricação de Vinho, Cerveja e Espíritos kasher « Voltar

Ad DeLo Yada

Fabricação de Vinho, Cerveja e Espíritos kasher
Por Rabino Zushe Yosef Blech

Traduzido com permissão do autor

Pelos últimos dois mil anos, o povo judeu tem observado o dia especial de Purim para comemorar sua libertação do mau decreto do rei persa Achashverosh e seu ministro Haman. Nossos sábios nos contam que o povo judeu tinha escolhido em participar no banquete pagão hospedado pelo rei. Embora a kashrut dos alimentos foi efetivamente mantida, os judeus foram cobrados por terem se envolvido, mesmo que tangencialmente, na festa famosa pela sua bebedeira frívola e comportamento desordeiro. Quando confrontado com as consequências das suas ações, no entanto, o povo judeu arrependeu-se e Hashem efetuou a sua libertação por intermédio de banquetes de vinho e bebidas organizado pela Rainha Ester. Para comemorar esse milagre, nós bebemos um pouco mais vinho do que acostumados. É neste espírito que embelezamos a festa e reconhecemos a salvação que continuamos a gozar. {O Shulchan Aruch Cap. 695:2 cita o TalmudMeguilá 7b, que "A pessoa é obrigada a beber (vinho), em Purim a um ponto onde não é ciente da distinção entre "Maldito seja Haman" e "abençoado seja Mordechai". As autoridades haláchicas, no entanto, apressam a comentar que esse tipo de embriaguez nunca deve subir ao ponto de se comportar de uma forma inadequada [ver Beur Halacha, ibid.]. O Remá (Ibid.) cita autoridades que se possa cumprir essa obrigação bebendo um pouco mais do que ele está acostumado e tirar um breve cochilo. O ponto principal é que se deve celebrar o milagre de Purim em bomespírito de um modo que crie um Kidush Hashem (a santificação do nome de D'us)}.

Nossos Sábios z"l nos ensinam que uma pessoa deve esforçar-se para realizar Mitsvot na forma mais elevada possível e, para tal, muitos procuram bebidas ecléticas e coquetéis exóticos para cumprir a mitsvá de beber em Purim. Obviamente, a kashrutdestes Tashmishei mitsvá (dispositivos para o cumprimento da mitsvá) deve ser garantida. No entanto, as questões Haláchicas as questões relativas ao estado kasher de muitos, pode necessitar de um olho aberto. O objetivo deste artigo é descrever as questões de kashrut das bebidas que hoje são mais populares à mais antiga das bebidas alcoólicas - vinho e cerveja - que são mencionadas na ToráNoach embriagou-se logo que saiu da arca, e os Cohanim foram proibidos de beber vinho ou cerveja (ou qualquer outra bebida intoxicante) antes de executar serviços no Templo. [Na realidade, Birkat Cohanim não é recitado durante qualquer Tefilá que ocorre após o horário de refeição, uma vez que os Cohanim podem não ter o cuidado de não beber durante a refeição anterior.] Aguardente destilada, por outro lado, é uma bebida mais recente. Todos se baseiam na mesma reação química - a fermentação do açúcar em álcool. Este processo envolve o crescimento de cepas específicas de leveduras, que convertem diferentes tipos de açúcar em álcool etílico. A diferença entre as diferentes bebidas decorre da fonte de açúcar, o método pelo qual a bebida fermentada é processada, e os aromas e aditivos que possam conter.

O vinho é suco de frutas fermentado. Geralmente, o termo "vinho" se refere ao suco de uva fermentado, enquanto vinho produzido a partir de outras frutas é rotulada com o nome da fruta específica (por exemplo, vinho de pêssego). Vinho de uva, bem como o suco de uva, está sujeito a regras específicas de Stam Yeinam, que ditam que, para que possa ser considerada kasher, judeus observantes da Torá devem tratar de todos os aspectos da sua produção até o engarrafamento final. Qualquer vazamento ou manuseamento de abrir garrafas de vinho de uvas por um não-judeu torna o produto não kasher, e por essa razão uma certificação kasher confiável é um requisito absoluto. Convém notar que vinho kasher que tenha sido cozido, já não está mais sujeito a essas restrições, e pode ser, posteriormente, tratado como qualquer outro produto. Vinho de uva (e seu suco) é o único produto alcoólico sujeito às regras de Stam Yeinam.

Cerveja é o caldo fermentado de grãos e outros amidos. Para que a levedura produza o álcool, no entanto, o amido do grão deve primeiro ser convertido em açúcar. Isto pode ser conseguido por germinação, ou malte da cevada. Quando o malte de cevada inicia o processo, o germe do grão produz uma enzima chamada amilase, que converte o amido da parte principal do grão em açúcar. Este açúcar pode então ser transformado em álcool pela levedura. A maioria das cervejas fabricadas hoje usam uma pequena quantidade de malte de cevada, juntamente com outros tipos de grãos menos dispendiosos, como arroz e milho. Os melhores tipos de cerveja ainda dependem de malte de cevada. A característica carbônica da cerveja provém do dióxido de carbono que é produzido durante o processo de fermentação. O forte sabor da cerveja vem da adição do lúpulo (a flor de uma trepadeira cultivada especificamente para esse fim). A cerveja é geralmente considerada kasher sem certificação especial kasher. No entanto, uma vez que cerveja geralmente contém uma certa quantidade de cevada, é considerada Chamets e não pode ser utilizada em Pêssach. Além disso, a cerveja que tenha sido pertencida indevidamente a um judeu em Pêssach não pode ser usada mesmo apósPêssach (Chamets She'Avar Alav Ha'Pessach).

Tanto vinho como cerveja são essencialmente produtos da fermentação - o caldo fermentado serve como base do produto. Outras bebidas alcoólicas pertencem a categoria de bebidas alcoólicas destiladas. Destilação é o processo pelo qual o álcool é retirado do caldo fermentado (ou mosto), aquecendo o mosto até vaporizar o álcool, que logo após é condensado. Quando álcool quase puro é destilado a partir de fermentação, o produto é chamado Álcool Extra Neutro (AEN). A pureza desse álcool pode ser tão elevada como 95% (ou teor 190 nos Estados Unidos e Canadá), praticamente não contém nenhum dos sabores dos grãos ou outros materiais utilizados na fermentação, e é frequentemente usada como a base para outras bebidas alcoólicas. Vodka (diminutivo da palavra russa - água - voda) é apenas uma forma de diluir este álcool, e, como tal, podem ser feitas a partir de praticamente qualquer carboidrato fermentável, sem preocupação de sabor residual. Enquanto as tradicionais batatas foram fonte da vodka russa, a maioria das vodkas hoje são feitas a partir de cereais. No entanto, lactose (açúcar do leite) também é utilizada para produzir álcool em alguns países, e um produto deste tipo suscita preocupações significativas de leite e kashrut. Vodkas aromatizadas tornaram-se populares e tais produtos necessitam de certificação kasher devido a questões de kashrut relacionadas com os próprios sabores.

Quando a destilação ocorre a menor teor, o líquido condensado contém mais componentes originais da fermentação, além de álcool puro. Quando cereais são usados para produzir esses produtos, o produto resultante é chamado de uísque (do irlandês uiscebeathadh & escocês uisge beatha, ambos baseados no Latim antigo aqua vitae, que significa "água da vida"). A produção de Whisky (como escrito na Escócia e no Canadá) foi primeiramente documentada na Escócia em 1494, e muitos tipos de whisky, foram desenvolvidos ao longo dos séculos. A grande diferença no seu sabor deriva dos tipos de grãos utilizados na fermentação, o método em que são destilados, e o método pelo qual eles são envelhecidos. Uma certa quantidade de questões de kashrutpodem ser encontrados no whisky. Em primeiro lugar, uma vez que o whisky é produzido a partir de cereal é frequentemente Chamets (fermentado de trigo, centeio, aveia, cevada, ou espelta), não se pode utilizar ou possuir em Pêssach. [Uma ligeira distinçãoHaláchica entre cerveja e whisky tem sido considerada por algumas autoridades, uma vez que a cerveja contém o Chamets real, enquanto que o whisky é apenas uma condensação de vapor - Zeia Bealma. Embora esta distinção não é utilizada para permitir a utilização de whisky em Pêssach, pode ser um fator quanto a questões relacionadas com a venda de Chamets antes de Pêssach.] Por outro lado, muitos whiskys são misturados com outros ingredientes, alguns dos quais podem ser vinho não kasher. Muita discussão Haláchica foi publicada relativa ao whisky em que uma pequena quantidade de vinho foi misturada (ver Igrot Moshe YD I, 62-64), e muitos cuidam de evitar o blended whisky, a menos que a ausência de vinho tenha sido verificada. Uma terceira questão tem a ver com os barris em que alguns whiskys - nomeadamente whisky escocês e irlandês - são envelhecidos. A fim de reforçar o sabor de alguns desses whiskys, são envelhecidos em barris que foram utilizados para armazenar vinho Xerez nãokasher. Este também levanta questões quanto ao possível sabor de vinho não kasher no whisky, e tem sido objeto de muita discussão Haláchica (ver Minchat Yitzchak II: 28). Embora muitas autoridades concluíram que a utilização deste tipo de barrilhalachicamente não é significativa, os whiskys que realmente afirmam ser envelhecidos em barris de Xerez, deixam mais uma preocupação. Curiosamente, bourbon americano (chamado depois de Bourbon County em Kentucky), é livre de tal preocupação, uma vez que por lei tais whiskys devem ser envelhecidos em barris novos.

Gin é apenas um GNS que foi aromatizado com bagas de zimbro e outras ervas botânicas e flores. O nome para esta bebida vem da palavra francesa para o zimbro bagas - Genièvre - que foi encurtado pelo holandês para genever e, finalmente, gin pelo Inglês. A fórmula exata varia de fabricante para fabricante, mas por lei todos os tipos devem conter bagas de zimbro. Embora desenvolvida por um médico holandês como um meio de desenvolver óleo de bagas de zimbro para fins farmacêuticos, os britânicos desenvolveram rapidamente uma predileção por esta poção. Ela se tornou uma bebida importante no exército britânico, como a base para "gin tonico", um meio de tornar a administração do quinino amargo ("tonico") mais apetecível para os soldados predispostos a ter malária. A preocupação de kashrut do gin é essencialmente a mesma do Álcool Extra Neutro (AEN).

Brandy é produzido por destilação de vinho, concentrando assim, o teor alcoólico do produto. O termo é geralmente aplicado ao produto fabricado a partir de vinho de uvas, embora outros brandies (como brandy de amora) podem ser feitos a partir de vinhos de outras frutas. O nome vem do holandês brandewijn ("vinho destilado"), e foi desenvolvido como um meio de preservar e concentrar o vinho. Conhaque é meramente aguardente produzida a partir de vinho de uma determinada região, na França. Brandyproduzido a partir de vinho de uvas está sujeito a problemas de kashrut referente ao vinho. Aguardentes de outros frutos (como slivovitz de ameixas e Kirschwasser de cerejas) são uma fonte de bebidas alcoólicas que podem ser feitas kasher para Pêssach.

Licor difere dos tipos anteriores de bebidas, uma vez que em que geral não é um produto diretamente fermentado, mas refere-se a bebidas misturadas. A palavra vem do latim liquefacere, que significa "fazer líquido", e refere-se a mistura de bebidas que contenham uma determinada quantidade de álcool. Embora muitos licores famosos são baseados em receitas antigas e confidenciais, a maioria são misturas de álcool, açúcar ou xarope de milho e aromas. Os seguintes problemas de kashrut devem ser observados quando se trata de licores. Em primeiro lugar, o álcool é muitas vezes derivado de aguardente de uvas e não é kasher a não ser que seja feito especificamente produção kasher. Mesmo álcool puro pode apresentar problemas de kashrut, uma vez que uma quantidade significativa de álcool produzido na Europa é destilada a partir de vinho de baixo nível não kasher. Em segundo lugar, os aromas utilizados no produto exigem certificação kasher, tal como os aromas de qualquer outro produto alimentarkasher. Terceiro, a glicerina é comumente usada como um edulcorante e emulsificante em tais licores. Glicerina é frequentemente produzida a partir de gordura animal e é essencial certificação kasher para este ingrediente. Logicamente, licor só pode ser considerado kasher quando tem uma certificação kasher aceitável.

Nós celebramos a festividade de Purim de varias formas. Nós lemos a Meguilá, enviamos Mishloach Manot (presentes de alimentos), contribuímos com Matanot Laevyonim (presentes aos pobres), e comemos a Seudat Purim (banquete). Conforme discutimos neste artigo, a pessoa deve celebrar durante esta refeição e vivenciar os variados estados de espírito disponíveis. Em nossa busca para satisfazer o Ad Delo Yada, temos de ser cuidadosos para permanecer cientes do estado kasher dos néctares que podem trazer-nos a esse nível. Uma pessoa jamais deve beber tanto ao ponto de não conseguir detectar um verme em sua Tequila!